quinta-feira, 22 de julho de 2021

Apple atualizará aparelho mais barato com 5G e descontinuará iPhone Mini

 TECNOLOGIA


O iPhone SE, o de menor custo da Apple, pode chegar ao mercado com conectividade 5G no primeiro semestre de 2022

DIVULGAÇÃO / APPLE

O aparelho mais barato da Apple vai suportar a tecnologia 5G em sua próxima atualização e o iPhone Mini não será incluído na linha para 2022, informou o japonês Nikkei hoje (21), citando fontes familiarizadas com o assunto.


A empresa começará a vender uma versão 5G do iPhone SE de baixo custo no primeiro semestre de 2022, segundo o Nikkei, acrescentando que o dispositivo será alimentado por seu processador A15 e sua conectividade 5G será habilitada pelo chip de modem da Qualcomm.

As operadoras de telecomunicações têm gastado bilhões de dólares para atualizar suas redes para o 5G para permitir uma internet mais rápida e com melhor cobertura. No entanto, os analistas são céticos quanto ao uso da tecnologia para consumidores individuais e acreditam que ainda virão anos antes que se possa colher os benefícios reais.

Enquanto isso, a demanda pelo iPhone Mini, a versão menor do dispositivo carro-chefe da Apple, foi silenciada, em comparação com seus modelos maiores e mais sofisticados, como os iPhones 12 Pros e o antigo iPhone 11s, já que os usuários preferem dispositivos maiores.

As vendas do iPhone 12 Mini nos Estados Unidos representaram apenas 5% das vendas gerais de seus novos telefones durante a primeira quinzena de janeiro, de acordo com o provedor de dados da indústria Counterpoint.

A Apple não respondeu imediatamente ao pedido de comentário da Reuters. (Com Reuters)

Governo prevê 5G em algumas capitais ainda em 2021, mesmo com leilão atrasado

 TECNOLOGIA

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro das Comunicações, Fábio Faria, na abertura da exposição Digital Day, no Salão Negro do Congresso Nacional| Foto: Cleverson Oliveira/Ministério das Comunicações


Com a análise do edital do 5G agendada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), o Ministério das Comunicações acredita que a publicação do documento deve ocorrer até o início de setembro, abrindo caminho para a realização do leilão das frequências que vão suportar a tecnologia 5G no país. A estimativa tem como base prazos de cinco dias para a devolução do edital à Agência Nacional de Telecomunicações após a votação no TCU e de outros sete dias para publicação após o recebimento, indicados pelo presidente da Anatel ao ministro Fábio Faria — caso o texto seja aprovado sem a necessidade de eventuais ajustes.


Em recente coletiva de imprensa, o ministro afirmou que está mantida a expectativa de que todas as capitais brasileiras tenham 5G até meados de 2022 e parte delas ainda em 2021, mesmo com o atraso observado. Originalmente, o Ministério das Comunicações defendia que o leilão sairia neste mês de julho. Os planos da pasta, entretanto, foram frustrados pela demora na análise da minuta do edital, que se estendeu para além do esperado no TCU.


Segundo Fábio Faria, "as próprias empresas de telecom tem nos garantido que as obrigações do edital (colocar 5G nas 27 capitais até julho do ano que vem) estão mantidas; inclusive podemos ter até o final deste ano já algumas capitais com 5G standalone [erguida do zero, totalmente independente do 4G] funcionando de acordo com o feedback que eu recebi das empresas", afirmou o ministro.


Segundo o ministério, independentemente de datas limite previstas no edital, há muitas áreas livres do risco de interferências na radiodifusão e ajustes menores na rede seriam suficientes para atender o 5G em algumas localidades.


Sobre o atraso no leilão em comparação com a data esperada pelo governo federal, representantes do setor já se manifestaram sobre uma preferência por processos de avaliação mais extensos e garantias de regras mais claras. O presidente da Telefônica, Christian Gebara, por exemplo, apontou que uma vez definido e realizado o leilão, o sinal do 5G poderá ser ativado em "poucos meses". "Se o leilão for realizado em julho ou em setembro a diferença é mínima", afirmou ele ao jornal O Estado de São Paulo, em abril.



FONTE: GAZETA DO POVO/Cristina Seciuk



DF inicia pagamentos de programa social contra miséria; veja quem recebe

ECONOMIA

Mais de 24 mil famílias de baixa renda devem receber valores que variam de R$ 20 a R$ 960



FOTO: REPRODUÇÃO

governo do Distrito Federal iniciou, nesta semana, o pagamento dos valores do programa DF Sem Miséria , que visa prestar assistência financeira para famílias de baixa renda. Os depósitos variam entre R$ 20 e R$ 960, à depender da situação de cada beneficiário. 

O programa funciona como o Auxílio Emergencial e deverá beneficiar 24 mil famílias. Outras 60 mil pessoas que recebem o benefício do governo federal também deverão receber os pagamentos. 

De acordo com a Secretaria de Assistência Social do DF , o programa irá atender pessoas com renda per capita de até R$ 140 e serem moradores da capital federal. A primeira fase do pagamento, apenas beneficiários que não recebem o auxílio emergencial receberão os valores.

Para serem contemplados, os interessados devem ter cadastro em programas sociais do governo federal, por meio do CadÚnico. Em seguida, é necessário apresentar os documentos, como CPF e RG de cada membro da família, ao Centro de Referência de Assistência Social (Cras), que deverá decidir pelo deferimento ou não do benefício.


Fonte: Brasil Econômico

DF registra 6 casos da variante Delta do novo coronavírus

 PANDEMIA DF

Os infectados não precisaram ser hospitalizados e todos estão sendo monitorados por equipes sanitárias

Drive-thru para vacinação contra a Covid-19 em Brasília Foto: EPA / Ansa

O Distrito Federal registrou seis casos confirmados da variante Delta do coronavírus. A informação foi apresentada nesta quarta-feira, 21, pelo governo local. Os infectados não precisaram ser hospitalizados e todos estão sendo monitorados por equipes sanitárias.

Os infectados com a nova cepa são três homens e três mulheres com idades entre 20 e 59 anos. Um desses pacientes reportou ter sentido falta de ar, mas não precisou ser internado. 

A entrada da variante Delta no País preocupa especialistas porque ela tem a característica de ser mais transmissiva. Caso haja disseminação ampla dessa mutação do vírus, a preocupação é com que o número de casos de covid-19 cresça e volte a pressionar as unidades hospitalares.

"A delta apresenta maior risco de hospitalização e de reinfecção. É um vírus que temos que tomar o máximo de cuidado. Estamos fazendo trabalho de rastreamento e contenção para que esse vírus não se espalhe" , afirmou o secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto. Até a terça-feira, eram 110 casos da variante confirmados no Brasil.


ESTADÃO CONTEÚDO


Flamengo vibra com torcida, goleia Defensa e vai às quartas na Libertadores

 ESPORTES

Rodrigo Caio comemora gol marcado contra o Defensa, em Brasília Imagem: Mateus Bonomi/AGIF

O Flamengo está classificado para as quartas de final da Copa Libertadores da América. Em um jogo que ficou marcado pela volta de seu torcedor ao estádio após 497 dias, o time brasileiro vibrou em campo e goleou o Defensa y Justicia por 4 a 1, hoje (21), no estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF). Rodrigo Caio, Arrascaeta e Vitinho (2) decretaram o triunfo rubro-negro. Embora o placar tenha sido folgado, o Flamengo passou por um momento de sufoco na partida. Depois de abrir o placar logo no começo da partida e pressionar o adversário, sofreu o empate em um erro de Diego Alves. Mas graças a substituições cirúrgicas de Renato Gaúcho, o Rubro-Negro deslanchou nos últimos 25 minutos rumo à classificação. Bom para os 5.518 torcedores registrados como público pagante —sem contar os convidados aqui—, para uma renda de R$ 984.440,00.

Com o resultado, o Flamengo fecha a sua série de mata-mata com o placar agregado de 5 a 1 e apaga a má lembrança de 2020, quando o time foi eliminado pelo Racing, também nas oitavas de final, em pleno Maracanã. Com a vaga assegurada entre os oito melhores do continente, o time rubro-negro espera seu adversário, que será conhecido amanhã (22). Ele sairá do confronto entre Internacional e Olimpia. No jogo de ida, no Paraguai, houve empate por 0 a 0.

Ficha técnica Flamengo 

4 x 1 Defensa y Justicia Motivo: Oitavas de final da Libertadores Data: 21 de julho de 2021 (quarta-feira) Horário: 21h30 (de Brasília) Local: Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF) Árbitro: Roberto Tobar (CHI) Assistentes: Alejandro Molina (CHI) e Sebastián Vela (COL) VAR: Cristian Garay (CHI) Cartões amarelos: Gabigol, Everto Ribeiro, Diego (Flamengo); Frías, Paredes (Defensa) Gols: Rodrigo Caio, aos 7min do primeiro tempo, Arrascaeta, aos 20min, e Vitinho, aos 37min e aos 49min do segundo tempo (Flamengo); Loaiza, aos 39min do primeiro tempo (Defensa) Flamengo: Diego Alves, Isla (Matheuzinho), Rodrigo Caio, Gustavo Henrique e Filipe Luís; Willian Arão, Diego, Everton Ribeiro (Michael), Arrascaeta; Bruno Henrique (Vitinho) e Gabigol. Técnico: Renato Gaúcho Defensa y Justicia: Unsain; Matías Rodríguez, Paredes, Frías, Cardona, Soto; Escalante (Merentiel), Loaiza (Rivero), Rotondi (Lucas Barrios); Contreras, Walter Bou (Tripichio). Técnico: Sebastián Beccacece


Leo Burlá Do UOL, em Brasília

domingo, 18 de julho de 2021

Mortes por abuso de álcool no Brasil aumentam 18,4% durante pandemia

 BRASIL

FOTO: REPRODUÇÃO GOOGLE



  • A taxa de mortes relacionadas ao alcoolismo subiu 18,4% no Brasil entre 2019 e 2020

  • No último ano, foram 7.612 óbitos provocados por "transtornos mentais devidos ao consumo de álcool"

  • Especialistas apontam a pandemia como responsável pelo aumento da ingestão de bebidas alcoólicas

A taxa de mortes relacionadas ao consumo excessivo de álcool aumentou 18,4% entre 2019 e 2020, segundo dados dos SIM (Sistemas de Informações sobre Mortalidade) do Ministério da Saúde para registrar óbitos no Brasil.

Em 2020, de acordo com reportagem do portal UOL, foram 7.612 mortes relacionadas a "transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de álcool", principalmente a partir de abril, logo depois dos primeiros casos e mortes por coronavírus no país. Em todo o ano de 2019, foram 6.428.


Especialistas analisaram dados entre 2010 e 2020 e indicam que o aumento está muito acima da média da última década —na maior parte deste período, houve queda neste tipo de morte.

Entre 2018 e 2019, a elevação havia sido de apenas 0,2%. O máximo de aumento identificado na última década até agora tinha sido em 2011, com relação ao ano de 2010, de 3,9%. E entre 2012 e 2016, a tendência foi majoritariamente de queda."

O estudo sobre o aumento do consumo de álcool no Brasil na última década, com dados do Ministério da Saúde, aponta que a região Nordeste teve maior variação nas taxas de mortalidade por álcool em 2020 —31%. Na sequência, vem a região Sudeste, com aumento de 18,2%. Para o Brasil, a variação total foi de 17,6%.

Levantamento online coordenado por Zila Sanchez, professora do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), e Maristela Monteiro, consultora-sênior sobre álcool da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), mostra que, entre 2019 e 2020, a proporção de pessoas que consumiam álcool em eventos online cresceu de 6,3% para 10,4%. O percentual de pessoas que começavam a beber antes das 17h saltou de 11,2% para 11,9%.

O estudo ouviu 12.328 adultos de 33 países e dois territórios da América Latina e Caribe, e indicou redução no índice de pessoas que ingeriam álcool (que eram 77,5% em 2019 e foram 65% no primeiro semestre de 2020), mas uma maior concentração de consumo entre aqueles que já bebiam em quantidades mais elevadas.

Zila Sanchez classifica os dados do Ministério da Saúde como "alarmantes". "Porque a tendência desses casos que vinha sendo registrada nos últimos seis anos era de queda, e em 2020, com o isolamento por causa da pandemia, começou a crescer", afirmou ao portal UOL.

A Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) confirma que existem evidências de que as pessoas com maior probabilidade de aumentar o consumo de álcool já bebiam excessivamente antes da pandemia. Mais de 300 mil mortes por ano são provocadas por doenças relacionadas à ingestão de bebidas alcoólicas, de acordo com a Opas.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) afirma que não existe limite seguro para o consumo do álcool, e os danos à saúde aumentam com a quantidade consumida. 

Em fevereiro deste ano, a Associação Americana de Psicologia divulgou pesquisa que mostra que 25% dos adultos passaram a beber mais para lidar com estresse gerado durante a pandemia e o isolamento social.

Além do impacto individual de cada vida perdida, o aumento de mortes detectado no estudo dos dados do Ministério da Saúde representa prejuízos sociais para o país. Foram estimados mais de 211 mil anos de vida perdidos no ano passado, como consequência do aumento do número de mortes por abuso de álcool no Brasil (alta de 18,9% em 2020, na comparação com 2019). Foi o maior valor observado desde 2010.

O impacto dessa mortalidade atingiu principalmente pessoas nas faixas ente 25 e 49 anos, consideradas economicamente ativas.

Segundo a OMS, o álcool contribui para a morte de uma pessoa a cada dez segundos. O abuso do álcool é um dos principais fatores de risco para doenças não transmissíveis, incluindo câncer, doenças cardiovasculares e hepáticas. Além disso, pode piorar o curso de doenças infecciosas, incluindo covid-19.

A OMS também aponta que, durante a pandemia, as bebidas alcoólicas tiveram sua disponibilidade aumentada em muitos países devido ao acesso fácil, às compras online e a facilidade da entrega em domicílio. Além de haver promoções e incentivo de consumo por publicidade através de mídias sociais.

Através de nota, sem responder diretamente aos questionamentos feitos pela reportagem do UOL, o Ministério da Saúde alegou que um único indicador não pode ser considerado causa de um problema.

"O tema (aumento das mortes por consumo elevado de álcool) é uma preocupação constante, de ação permanente dentro da pasta. A pasta realiza o terceiro Levantamento Nacional de Álcool e Drogas, fundamental para que se possa conduzir o problema com cientificidade. Cabe ressaltar que um único indicador não pode ser considerado como causa. A mortalidade, por exemplo, não é um indicador central, pois pode ocorrer após anos de uma causa, como o aumento de consumo. Por isso, a necessidade de considerar outros dados."

A assessoria informou que, para atender a população que necessita de tratamento, "o SUS oferta os Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD), que levam atendimento a todas faixas etárias. Os CAPS são especializados em transtornos pelo uso de álcool e outras drogas, onde atuam equipes multiprofissionais no atendimento em situações de crise ou nos processos de reabilitação psicossocial".


Yahoo Notícias

Bolsonaro defende voto impresso e diz que 'só Deus' o tira da presidência

GOVERNO

O presidente voltou a defender o voto impresso na eleição de 2022 e garantiu que um homem, ainda isolado por causa da covid-19, fará suposta "apresentação" capaz de provar fraudes nas urnas eletrônicas

Reprodução / CNN Brasil Bolsonaro deixou o hospital neste domingo (18)


Ao deixar o hospital na manhã deste domingo (18/7), o presidente Jair Bolsonaro defendeu o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, criticou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e disse que só uma intervenção divina pode o tirar da presidência da República. As declarações foram dadas na saída do Hospital Vila Nova Star, onde o presidente estava internado havia quatro dias para o tratamento de uma obstrução intestinal.


"Querem derrubar o governo? Já disse: só Deus me tira daquela cadeira. Será que não entenderam que só Deus me tira daquela cadeira? Se aparecer corrupção em meu governo, serei o primeiro a buscar maneiras de apurar e deixar na mão da Justiça para que esse possível responsável seja punido" , disparou. Embora tenha dito respeitar a Constituição Federal, o mandatário voltou a defender o voto impresso na eleição de 2022 e garantiu que um homem, ainda isolado por causa da covid-19, fará suposta "apresentação" capaz de provar fraudes nas urnas eletrônicas. Segundo Bolsonaro, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, faz "ativismo eleitoral" contra o voto impresso. O presidente pleiteia que os eleitores possam ver, em um papel, comprovante das escolhas feitas na urna. "Queremos transparência nas eleições. Não existem eleições sem transparência. Isso é fraude. Não queremos isso" , falou.


"Brasília é paraíso de picaretas" O presidente ainda minimizou as denúncias de irregularidades envolvendo negociações para a compra de vacinas contra a covid-19 e defendeu o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. 

Segundo ele, Brasília é o paraíso de "lobistas e picaretas" . "Brasília é o paraíso dos lobistas, de picaretas. Todos pressionavam por vacinas. Muitas pessoas foram recebidas no ministério. O próprio traje do Pazuello, ele está sem paletó. Aquele pessoal se reuniu com diretor responsável por possível compra lá no ministério e na saída conversou. Agora, se fosse algo secreto, algo superfaturado, ele estaria dando entrevista ou estaria escondido no porão do ministério?" , disse Bolsonaro. 

"Agora, acredita quem quiser. O nosso governo não gastou um centavo com picareta. Parabéns ao Pazuello" , disse Bolsonaro, também parabenizando o coronel Elcio Franco, que ocupou o cargo de secretário-executivo da pasta. E acrescentou: "Se eu tivesse na Saúde teria apertado a mão daqueles 'cara tudo'. O receber, ele não tava sentado na mesa. E se fosse propina não daria entrevista" , comentou. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, Pazuello negociou a compra da Coronavac com uma intermediária pelo triplo do preço oferecido pelo Instituto Butantan.


Alta do hospital Bolsonaro recebeu alta médica neste domingo (18/7) após quatro dias internado em São Paulo. O chefe do Executivo foi transferido do Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, para o Hospital Vila Nova Star, na Zona Sul da capital paulista, na quarta-feira (14/7) para tratar uma obstrução intestinal. De acordo com o boletim médico divulgado neste domingo, Bolsonaro continuará recebendo acompanhamento ambulatorial em casa. "O Senhor Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, teve alta hoje do Hospital Vila Nova Star, da Rede D’Or. Ele estava internado desde a quarta-feira, 14 de julho, para tratar um quadro de suboclusão intestinal. Ele seguirá com acompanhamento ambulatorial pela equipe médica assistente" , diz a nota.


FONTE: CORREIO BRAZILIENSE/Hellen Leite


Bolsonaro culpa os governadores pelo alto preço do combustível

BRASIL

Segundo o presidente, o preço da gasolina na bomba é mais de duas vezes mais caro do que o cobrado na saída das refinarias

Bolsonaro, na capital gaúcha: passeata e polêmica em torno de encontro para tratar da compra da vacina Covaxin //Reprodução


O presidente Jair Bolsonaro criticou neste domingo os governadores pelo peso do ICMS, que é um imposto estadual, sobre o preço dos combustíveis, e os culpou pelos efeitos danosos na economia com o fechamento no âmbito das medidas restritivas decorrentes do avanço da pandemia do novo coronavírus, inclusive de igrejas. Segundo o presidente, o preço da gasolina na bomba é mais de duas vezes mais caro do que o cobrado na saída das refinarias por conta da carga tributária que incide sobre combustível nos estados.
"Cresceu a arrecadação de ICMS em cima de uma ganância", disse Bolsonaro na saída do Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo, onde estava internado desde quarta-feira, 14, para tratar uma obstrução intestinal.

O presidente prometeu também reduzir a alíquota da Pis Cofins cobrada sobre o diesel, "em quatro centavos". "Diferente do Estado de São Paulo, que aumentou ICMS de combustíveis durante a pandemia", acrescentou, aproveitando para alfineta o governador João Doria, seu rival, que já havia mencionado ao contestar a eficácia da vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantã em parceria com o laboratório chinês Sinovac.
Bolsonaro voltou a culpar os governadores também pelo abalo sofrido na economia com o isolamento promovido nos estados e mencionou também o fechamento de igrejas como um sinal do exagero nas medidas tomadas por eles. O presidente enalteceu o papel do governo federal na distribuição do auxílio emergencial e elogiou o desempenho da Caixa Econômica Federal, que, segundo ele, "está abrindo espaço à agricultura familiar". "Auxílio emergencial ano passado foi maior que dez anos de Bolsa Família".

FONTE: O DIA

Sem Verstappen, Hamilton aproveita, vence em casa e reacende campeonato

 F1

Lewis Hamilton em ação durante o GP de Silverstone de Fórmula 1 Imagem: Michael Regan/Getty Images


O GP da Grã-Bretanha entregou toda a emoção que o fã da Fórmula 1 poderia querer. Com uma disputa intensa nas primeiras curvas que terminou em acidente e uma ultrapassagem na penúltima volta, Lewis Hamilton venceu e fez mais uma vez a festa da torcida da casa, para delírio dos mais de 140 mil presentes no circuito.

Foi uma corrida muito difícil fisicamente. Sou muito grato aos torcedores, é um sonho para mim hoje fazer isso em frente a vocês (torcedores). Foi a oitava vitória do piloto da Mercedes em Silverstone, ultrapassando Michael Schumacher e tornando-se o primeiro a subir ao lugar mais alto do pódio em seu país. A vitória 99 da carreira foi a quarta na temporada, reabrindo a disputa com Max Verstappen pelo título da temporada.

 Agora, a vantagem do holandês é de apenas oito pontos. Charles Leclerc, que liderou a prova até a volta de número 50, ficou na segunda posição, seguido por Valtteri Bottas. "É dificil aproveitar 100%. Dei tudo de mim, mas não foi o suficiente nas últimas duas voltas. Parabéns ao Lewis, ele fez um excelente trabalho. O time trabalhou incrivelmente bem. Estou incrivelmente orgulhoso deles" , disse Leclerc, que alcançou o pódio pela primeira vez na temporada. A Fórmula 1 volta no dia 1º de agosto, no GP da Hungria.


A corrida começou de forma insana, com uma intensa briga pela primeira posição. Briga essa que não terminaria bem para a Red Bull. Lewis Hamilton tentou de todas as formas "dar o troco" em Max Verstappen pelo que aconteceu no sábado, quando o holandês tomou a ponta do sprint nas primeiras curvas. E a disputa acabaria na "copse" , sétima curva do circuito inglês. Por fora, Verstappen fechou a porta para Hamilton, mas acabou tocando, com o pneu traseiro direito, na frente do carro da Mercedes. A roda da Red Bull saiu na hora e Verstappen só foi parar na proteção de pneus.


Relargada com a Ferrari na frente O acidente gerou uma bandeira vermelha para que a barreira de pneus fosse arrumada. Minutos depois tivemos a relargada, com os carros parados no grid e Charles Leclerc na pole, já que o piloto da Ferrari havia largado bem e ainda se aproveitou a confusão em sua frente. Com as luzes se apagando novamente, Leclerc manteve a ponta com Hamilton em segundo e Lando Norris deixando Bottas para trás e assumindo a terceira posição. Motor apagou? Após a 14ª volta, Hamilton começou a diminuir a vantagem de Leclerc e a explicação chegou pela comunicação entre o piloto monegasco e a equipe. "Não! Não! Meu motor apagou e voltou de novo. Me digam o que está acontecendo!" , questionou Leclerc. Hamilton chegou a deixar a diferença menor que um segundo, tendo o DRS à sua disposição, mas bolhas nos pneus da Mercedes atrapalharam o ataque e a equipe italiana conseguiu evitar a ultrapassagem. 


Boxes agitados Quando chegou a hora das trocas de pneus, Lewis Hamilton teve que viver 10 segundos agoniantes parado sem que ninguém pudesse mexer no seu carro. Com a punição ele voltou na quinta colocação. 


A Ferrari teve alguns instantes para reviver seus momentos de grandes glorias, com Leclerc e Sainz nas duas primeiras posições. Mas a realidade logo bateu na porta. Sainz foi o primeiro a ir aos boxes e teve uma parada de mais de 12 segundos, já que a porca do pneu esquerdo dianteiro teimava em não encaixar. Menos mal para os italianos que tudo correu bem quando Leclerc foi para sua parada. Hamilton não desiste A punição não tirou Lewis Hamilton da briga pela vitória. Depois de passar Norris com muita facilidade, o piloto da Mercedes apertou ainda mais o ritmo e deixou Bottas para trás, ficando novamente na segunda posição. Faltando 10 voltas para o fim, a diferença era de apenas nove segundos, com a previsão de que existisse pelo menos uma ou duas voltas de disputa entre Ferrari e Mercedes pela vitória.

Leclerc ganhou sinal verde da equipe para tirar tudo o que pudesse do motor, mas isso não era o suficiente para impedir a aproximação do heptacampeão. Na 50ª de 52 voltas, não deu para a Ferrari.

Veja a classificação do GP da Grã-Bretanha 

1) Lewis Hamilton (Mercedes) 2) Charles Leclerc (Ferrari) 3) Valtteri Bottas (Mercedes) 4) Lando Norris (McLaren/Mercedes) 5) Daniel Ricciardo (McLaren/Mercedes) 6) Carlos Sainz Jr. (Ferrari) 7) Fernando Alonso (Alpine/Renault) 8) Lance Stroll (Aston Martin/Mercedes) 9) Esteban Ocon (Alpine/Renault) 10) Yuki Tsunoda (AlphaTauri/Honda) 11) Pierre Gasly (AlphaTauri/Honda) 12) George Russell (Williams/Mercedes) 13) A.Giovinazzi (Alfa Romeo/Ferrari) 14) Nicholas Latifi (Williams/Mercedes) 15) Kimi Räikkönen (Alfa Romeo/Ferrari) 16) Sergio Pérez (Red Bull/Honda) 17) Nikita Mazepin (Haas/Ferrari) 18) Mick Schumacher (Haas/Ferrari) Não completou Max Verstappen (Red Bull/Honda) Sebastian Vettel (Aston Martin/Mercedes)


Red Bull zerada na Inglaterra Não foi apenas a diferença de Verstappen que diminuiu. Sem somar pontos em Silverstone, a Red Bull também viu cair para apenas quatro pontos a diferença na liderança para a Mercedes. A equipe ao menos conseguiu "roubar" um ponto, colocando Pérez nos boxes na penúltima volta e dando a condição dele fazer a melhor volta da prova. O mexicano, contudo, não fica com o ponto extra já que terminou fora dos 10 melhores da corrida.


Colaboração para o UOL

quinta-feira, 15 de julho de 2021

Bolsonaro publica foto acamado em hospital: "Estaremos de volta em breve, se Deus quiser"

 POLÍTICA

Momentos antes, o presidente também usou suas redes sociais para comentar sobre seu estado de saúde. Ele lembrou da facada que recebeu em 2018 e culpou partidos de esquerda pela situação


Bolsonaro divulga foto acamado em hospital: "Estaremos de volta em breve, se Deus quiser" (Foto: Reprodução/Twitter)

 O presidente Jair Bolsonaro divulgou nas redes sociais, na tarde desta quarta-feira, 14, uma foto em que aparece acamado. Após passar mal com dores no abdômen, o chefe do Executivo nacional foi sedado e submetido a uma endoscopia no Hospital das Forças Armadas em Brasília após a constatação de uma obstrução intestinal.


No momento, o presidente está sendo transferido para São Paulo, onde passará por exames que devem avaliar a necessidade de uma cirurgia de emergência. Em publicação, Bolsonaro escreveu: "Estaremos de volta em breve, se Deus quiser. O Brasil é nosso! Bandeira do Brasil". 


Momentos antes, em outra publicação, Bolsonaro atribuiu seu estado a uma "tentativa de assassinato promovida por antigo filiado ao Psol, braço esquerdo do PT", referência dada à facada que recebeu de Adélio Bispo de Oliveira durante sua campanha eleitoral. Ele acusou os partidos de esquerda de, na época, tentar impedir sua vitória nas urnas e atentar "contra a nossa democracia".

O POVO


terça-feira, 13 de julho de 2021

Bolsonaro sobre protestos em Cuba: 'Ditadura comunista ataca duramente'

 POLÍTICA

Os manifestantes pedem a renúncia de Miguel Díaz-Canel, gritam por 'liberdade' e cantam músicas contra o regime comunista

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a falar, nesta terça-feira (13/7), da maior onda de protestos antigoverno em Cuba. Os manifestantes pedem a renúncia de Miguel Díaz-Canel, presidente do Conselho de Estado de Cuba, gritam por "liberdade" e cantam músicas contra o regime comunista.

"No momento em que a ditadura comunista cubana ataca duramente o seu povo que pede o fim do regime que o mantém na miséria, no atraso e até hoje sufoca sua liberdade, o ditador Maduro promove ataque armado ao PR Juan Guaidó", escreveu Bolsonaro. "Que Deus proteja nossos irmãos cubanos e venezuelanos!", finalizou o presidente.
 
 
A declaração aconteceu logo após integrantes da oposição ao regime chavista na Venezuela dizerem que funcionários fiéis ao presidente Nicolás Maduro invadiram o prédio em Caracas onde vive Juan Guaidó, político oposicionista que se proclamou presidente venezuelano em 2019 durante o impasse político no país. 
 
A mulher do presidente, Fabiana Rolsales, disse à polícia que foram vistos na garagem do prédio "homens encapuzados com armas largas rodeando a camionete" onde está o líder oposicionista.

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro fala sobre o assunto. Na segunda-feira (12/7), o chefe do Executivo federal pediu para que a "democracia floresça" em Cuba.
 
"Todo apoio e solidariedade ao povo cubano, que hoje corajosamente pede o fim de uma ditadura cruel que por décadas massacra a sua liberdade enquanto vende para o mundo a ilusão do paraíso socialista. Que a democracia floresça em Cuba e traga dias melhores ao seu povo!", disse.
 
 
Bolsonaro também disse a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada que os cubanos protestaram para pedir liberdade e receberam como resposta "borrachada, pancada e prisão".

"O dia de ontem foi um dia muito triste dado o que aconteceu em Cuba. Muita gente acha que a gente nunca vai chegar lá, que a gente nunca vai chegar à Venezuela, que não vamos ter problemas como estão tendo outros países por aqui", afirmou. 
 

Atos antidemocráticos

 
Apesar da fala sobre democracia, o presidente brasileiro vem agindo na contramão desse pensamento e acusando as eleições presidenciais de fraudulentas.

ESTADO DE MINAS



"Estamos perfeitamente alinhados", afirma Bolsonaro após crise

 BRASIL

Presidente da República se encontrou com Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal, nesta segunda-feira (12) em Brasília

FOTO: REPRODUÇÃO PORTAL BR7


Após encontro com o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Luiz Fux, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta segunda-feira (12) que os Poderes estão “perfeitamente alinhados” e que tem problema apenas com o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

“Até falei para ele, como hoje de manhã no cercadinho, que uma das minhas atividades da manhã é rezar o pai nosso, em que no final fala que é para perdoar as nossas ofensas e os ofendidos. Então foi basicamente essa a conversa. Estamos perfeitamente alinhados. Respeitosos para com a Constituição. E cada um se policiar dentro do seu poder no tocante aos limites. E nós, do Poder Executivo, não pretendemos sair desses limites”, afirmou Bolsonaro.

Na semana passada, o atual inquilino do Palácio do Planalto voltou a falar sobre fraude no processo eleitoralameaçou as eleições de 2022 e criticou Barroso. O presidente do TSE é contra o voto impresso, sistema que é defendido por Bolsonaro e é analisado atualmente por uma comissão na Câmara dos Deputados.

As declarações de Bolsonaro dos últimos dias geraram reações de outros Poderes. O presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que não admitirá atentado a sua independência, e o TSE publicou uma nota lembrando que tentativa de impedir eleição configura crime de responsabilidade.

Para arrefecer os ânimos, Bolsonaro se reuniu com o presidente do STF nesta segunda, disse que respeita os limites constitucionais e que seu único problema é com Barroso. Na ocasião, o presidente defendeu novamente o voto impresso e relatou que o ministro Paulo Guedes, da Economia, afirmou que possui R$ 2 bilhões em caixa para comprar máquinas de impressão do voto para a eleição do ano que vem.

Bolsonaro comentou, ainda, o ofício, feito pelo TSE, para que apresente provas em relação as suas falas de que houve fraude na eleição de 2014, quando a petista Dilma Rousseff ganhou do tucano Aécio Neves. Na época, o mineiro contestou o resultado, mas depois reconheceu a vitória de sua adversária.

“O TSE fez um pedido para eu apresentar a provas, e assinei agora há pouco pedindo um prazo maior, até para essa pessoa né, que tem coragem agora, saber dos riscos, e apresentar essas provas, que ele me apresentou há seis meses. Especialista. Mas vai vir a resposta”, disse Bolsonaro.



FONTE: R7

sábado, 10 de julho de 2021

Motorista morre após parada cardíaca no trânsito, no DF

 DF

Homem, que completaria 35 anos no domingo (11), bateu em dois carros, no centro de Taguatinga. Bombeiros tentaram reanimá-lo durante 45 minutos, mas não conseguiram.

foto: Reprodução G1

Um motorista que completaria 35 anos no próximo domingo (11), morreu após sofrer uma parada cardíaca enquanto dirigia, no centro de Taguatinga, no DF, no final da manhã desta sexta-feira (9). Depois de passar mal, ele bateu em dois carros.

Segundo o Corpo de Bombeiros, os socorristas tentaram reanimar a vítima por 45 minutos. No entanto, ele já estava em parada cardiorrespiratória e não resistiu.

O homem, identificado apenas como Francisco, estava com a filha no carro. Ela disse que o pai passou mal ao volante.Ela e os ocupantes dos outros dois veículos que acabaram envolvidos no acidente, não se feriram. O local, na C 09, ficou aos cuidados da Polícia Militar e da perícia.


FONTE: G1 DF

sexta-feira, 9 de julho de 2021

Operação autua 641 postos de combustível em 26 unidades federativas

BRASIL

.(Foto: Metrópoles)

Trezentos e cinco postos de combustíveis de 26 das 27 unidades da federação foram autuados nesta semana devido a irregularidades nas bombas de abastecimento identificadas durante uma operação coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. Com foco no combate à possibilidade de fraudes, a Operação Petróleo Real vistoriou 1.755 estabelecimentos, dos quais 641 foram autuados por diferentes problemas – incluindo os 305 postosem que os fiscais identificaram irregularidades nas bombas de combustível. Em cada estabelecimento, foram verificados a qualidade do combustível comercializado, datas de validade dos produtos, aferição das bombas de abastecimento e transparência da composição dos preços ao consumidor, além de outros aspectos que podem indicar infrações administrativas e criminais. Sete pessoas foram presas – seis delas em flagrante – durante a ação integrada de órgãos federais e estaduais, como a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), a Polícia Federal (PF), a Polícia Rodoviária Federal (PRF), as polícias Militar (PM) e Civil (PC) dos estados, Guardas Civis Municipais e secretarias de Segurança Pública. De acordo com o Ministério da Justiça, 2.837 agentes públicos participaram da Operação Petróleo Real, fiscalizando postos em 259 cidades em quase todo o país. Foram lavrados dez boletins de ocorrência e dez termos circunstanciados de ocorrência. Só em Minas Gerais, dos 81 postos fiscalizados entre a terça-feira (6) e o fim da tarde de ontem (8), seis foram interditados e 24 autuados. Em amostras recolhidas no estado, os fiscais identificaram a presença de metanol na gasolina vendida, bombas “viciadas”, que disponibilizavam menos combustível que a quantidade constante no mostrador e o valor cobrado, além de vazamento nos equipamentos. Segundo o governo estadual, boa parte dos estabelecimentos autuados é reincidente, pois, em fiscalizações passadas, já haviam sido identificadas várias irregularidades. Em Mato Grosso, servidores do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) identificaram irregularidades em dois dos 37 bicos de bombas inspecionadas – o que, de acordo com o governo mato-grossense, indica que os clientes desses estabelecimentos podiam pagar por combustível que não recebiam. Ainda no estado, o Corpo de Bombeiros também notificou os responsáveis por quatro estabelecimentos onde foram encontrados extintores vencidos, alarmes de incêndio inoperantes, falta de sinalização e de guarda-corpo ou corrimão, entre outras irregularidades. O Procon também instaurou procedimentos para apurar a justificativa para recentes aumentos no preço dos combustíveis. No Amapá, onde, a exemplo de outros estados, a operação foi deflagrada nesta quinta-feira, o diretor do Procon-AP, Luiz Pingarilho, comentou a importância de uma iniciativa de âmbito nacional, com a integração de vários órgãos. “A participação nesta operação é extremamente importante, tendo em vista o grande número de reclamações que chegam para a gente através das redes sociais sobre o tema.” 


FONTE: AGÊNCIA BRASIL 

Reforma eleva imposto e encarece empréstimos, diz presidente da Febraban

ECONOMIA

O presidente da Febraban, Isaac Sidney Menezes Ferreira, declarou que a proposta do governo aumenta a carga tributária e é ruim para vários setores da economia Imagem: Divulgação/Febraban
A proposta de reforma tributária do governo pode aumentar a carga tributária para diversos setores da economia, incluindo o bancário, avaliou o presidente da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), Isaac Sidney Menezes Ferreira. Em entrevista ao UOL, ele declarou que o projeto governista é ruim para a retomada da economia e tem potencial para afetar a concessão de crédito, com aumento de juros.

Numa análise preliminar, a proposta gera aumento da carga tributária dos setores produtivos da economia, aí incluído o setor bancário, o que é ruim para a retomada da economia, especialmente para o tomador de créditoIsaac Sidney Menezes Ferreira, presidente da Febraban Apesar das críticas, Ferreira disse que a proposta vai na direção certa, com redução do imposto das empresas e ao tributar dividendos, mas peca na calibragem das alíquotas e na falta de transição. "Enxergo grande espaço para o debate e seu apromiramento" , declarou. Ferreira também afirmou que os juros são altos no país porque o Brasil é o que menos recupera garantias oferecidas nos empréstimos e tem uma carga tributária com alíquota de 50% sobre os bancos. Leia abaixo os principais pontos da entrevista: UOL - O processo de alta da Selic vai levar ao aumento dos juros nos próximos meses? Isaac Sidney - Muitos criticam o alto patamar dos juros bancários, mas não fazem nada de concreto para atacar as causas, até porque se alimentam da narrativa fácil de críticas aos bancos. É preciso ter a coragem de encarar esse tema. As taxas ainda são altas no Brasil? Diria altas demais e precisam ser mais baixas, mas isso não depende da vontade dos bancos. A questão é por que os juros são altos.
O Brasil é o país que menos recupera garantia no mundo, o que mais tempo demora e o que mais custo tem para recuperá-la. A inadimplência responde por 1/3 do custo do crédito, e o setor bancário brasileiro é o que tem a maior carga tributária, hoje com 50% de alíquota nominal de tributação corporativa. Somos um dos poucos países que tributam a receita com a intermediação financeira. Isso tudo vai parar no custo do dinheiro para quem toma crédito. A taxa Selic não é a única variável que influencia os juros bancários, embora o movimento recente de alta deva ter algum reflexo na ponta. Como a Febraban avalia a proposta de mudança na tributação das empresas e na tributação de dividendos? Ao reduzir o Imposto de Renda das empresas e ao tributar dividendos, a proposta vai na direção certa de alinhamento com outros países, mas peca na calibragem e na falta de transição do atual para o novo regime. Nosso sistema de impostos é caótico, complexo, inseguro e nada transparente, além do alto custo de observância. A reforma que está posta, infelizmente, ainda não se mostra capaz de destravar o crescimento econômico, aumentar a produtividade e melhorar o ambiente de negócios, mas enxergo grande espaço para o debate e seu aprimoramento.

Numa análise preliminar, a proposta gera aumento da carga tributária dos setores produtivos da economia, aí incluído o setor bancário, o que é ruim para a retomada da economia, especialmente para o tomador de crédito. Por que as micro e pequenas empresas recebem menos empréstimos e pagam taxas de juros maiores no Brasil? Isso é retórica daqueles que insistem em jogar os bancos contra esse importante segmento. O saldo da carteira de crédito para micro e pequenas empresas apresentou aumento significativo em 2020, se comparado a 2019. A elevação foi de 51,5% para microempresas, 37,7% para as pequenas e 29,6% para as médias, patamares bem superiores aos 14,6% da carteira de empresas de grande porte. De março e dezembro de 2020, foram liberados R$ 325,2 bilhões em concessões para micro e pequenas empresas. Quanto aos juros, dados do BC mostram que a taxa média praticada pelos bancos nas operações de crédito livre para todas as empresas caiu de 17% para 14,3% na comparação entre fevereiro de 2020 e maio de 2021. A concentração bancária no Brasil é muito debatida. Há quem defenda que a concentração impede a redução dos juros. Como o senhor avalia essa tese? Falta um pouco de honestidade intelectual nesse debate. Os bancos precisam ter capital de no mínimo 10,5% dos seus ativos, sendo que o estoque de crédito chegou a R$ 4,2 trilhões em maio. A exigência regulatória do BC torna naturalmente a indústria bancária mais concentrada, mas outros setor.

E, numa comparação internacional, nossa concentração bancária é considerada moderada e é menor do que a de países como Austrália, Canada e França e equipara-se à de Chile, México e Colômbia. Há um mito em torno disso. O fato é que tem havido, sim, redução da concentração, acompanhada de aumento da competição, segundo dados do próprio BC. Outro equívoco comum é [desconsiderar] que concentração e competição são conceitos distintos e não devem ser entendidos como causa e efeito. Qual é a posição da Febraban sobre o open banking? Essa inovação vai trazer mais concorrência para o mercado bancário? Nossa posição tem sido de total engajamento e, não fossem os bancos de maior porte, o open banking não teria chegado até aqui. Enxergamos que será um passo importante no processo de relacionamento com o cliente, na medida que permitirá que ele, dono das suas informações, possa decidir com quem vai compartilhá-las e com quem deseja se relacionar.
Isso vai abrir uma grande avenida de dados e diversas possibilidades para melhor conhecer os hábitos e expectativas dos clientes, superando suas expectativas e oferecendo interfaces modernas e mais conveniência. Mas fica o alerta de que o cronograma é muito agressivo, o que gera risco adicional na implementação. Será fundamental termos um modelo de governança razoável, equilibrado e sustentável.

FONTE: UOL


Antecipação do 13º salário do INSS vai liberar o 14º salário?

INSS

FOTO: REPRODUÇÃO

Nesta quarta-feira (7) o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) libera o último lote de pagamentos da antecipação do 13º salário aos aposentados e pensionistas. A medida de antecipação está injetando cerca de R$ 52 bilhões a economia, em um momento delicado de pandemia.

Contudo, a antecipação do 13º salário reacende o debate do ano passado com relação à possibilidade de os segurados do INSS terem direito a algum abono extra no final do ano como uma espécie de 14º salário, tendo em vista que a antecipação que mesmo sendo positiva vai deixar os aposentados e pensionistas descapitalizados no final do ano.

14º salário do INSS em 2021

O debate a cerca da criação de um abono excepcional no final do ano aos segurados do INSS, como uma espécie de 14º salário surgiu ainda em 2020 através de uma Sugestão Legislativa (SUG) que ganhou forte apoio popular e que posteriormente veio a se transformar no Projeto de Lei 3657/20.

No ano passado, a medida acabou não avançando para o cenário de votação no Congresso Nacional, logo, a medida acabou não sendo disponibilizada aos segurados do INSS em 2020.

Sendo assim, o Projeto de Lei, ainda pode ser apreciado e votado este ano, mas afinal, existem chances para que a medida possa ser liberada em 2021?

Para responder essa pergunta precisamos considerar alguns pontos assim como ocorreu em 2020, que, para a criação de um 14º salário emergencial o primeiro ponto é necessário apoio parlamentar, o que até o momento a medida não conseguiu.

Outro ponto que precisa ser analisado é o custo que uma medida como está pode criar, a título de comparação, a liberação do 13º salário representa um gasto de mais de R$ 50 bilhões pelo governo, sendo assim a criação do 14º salário deve girar próximo a este valor.

Além disso, não há estudos suficientes que demonstrem a necessidade de liberação da medida, ou ainda estudos para ser possível encontrar recursos, de modo a disponibilizar o 14º salário este ano. Sendo assim, da mesma forma que ocorreu no ano passado, a medida não deve avançar, ficando apenas com um bom Projeto de Lei que infelizmente não avançou e não foi disponibilizado.


FONTE: RFEDE JORNAL CONTÁBIL

DF:Mulher quebra frascos de vacina contra covid-19 em Ceilândia

 VACINAÇÃO

De acordo com a Secretaria de Saúde e a Polícia Civil, a mulher de 45 anos teria passado por um surto psicótico. O caso resultou na perda de 19 doses da Janssen


Foto: reprodução SBT



Uma mulher de 45 anos foi levada à delegacia após quebrar diversos frascos de vacinas contra a covid-19 na Unidade Básica de Saúde (UBS) nº 5, na QNM 16, em Ceilândia. O responsável pelo local acionou a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), por volta das 14h desta sexta-feira (9/7), para pedir apoio. 

Em nota, a corporação informou que o gerente temia o retorno da mulher à UBS e que ela causasse mais danos. Não se sabe, ainda, o que motivou a quebra dos frascos. Três caixas com imunizantes da Janssen foram derrubadas, o que resultou na perda de 19 doses.

Pela manhã, a mulher esteve na UBS, onde se desentendeu com uma servidora. A visitante quebrou o celular da funcionária, e uma equipe da PM levou as duas envolvidas à 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Centro). Momentos depois, ela retornou ao posto de saúde e derrubou os frascos de vacina.


Acionada novamente, a polícia não localizou a responsável pela quebra dos frascos e instaurou um termo circunstanciado para apurar o caso. Em nota, a SES-DF afirmou que a PM ficaria na unidade de saúde durante a tarde, para garantir a segurança do local.

"Uma paciente da unidade, aparentemente teve um surto psicótico, agrediu uma servidora e quebrou frascos de vacina contra a covid-19. (...) A pasta destaca que nesse incidente foram perdidas 19 doses de vacina", conclui o

Segundo a Secretaria de Saúde (SES-DF) e a Polícia Civil, a mulher teria passado por um surto psicótico. O boletim de ocorrência detalha que a visitante chegou ao posto de saúde e pediu para ser vacinada. Contudo, não estaria cadastrada e foi orientada a voltar em data agendada, o que teria provocado a discussão.

Ocorrência

Na delegacia, a servidora assinou um termo de renúncia, para não dar continuidade à ocorrência, por considerar que a outra envolvida demonstrava ter "transtornos de comportamento". "Depois de algum tempo, a vítima retornou à delegacia, dizendo que a autora, logo que foi liberada, voltou ao posto de saúde e jogou uma caixa contendo vacinas no chão, tendo algumas delas se espalhado, motivo pelo qual foram recolhidas e encaminhadas à Vigilância Epidemiológica", diz o boletim.


COM INFORMAÇÕES DO CORREIO BRAZILIENSE