sábado, 3 de dezembro de 2022

Gabriel Jesus e Alex Telles são cortados da Copa do Mundo

 ESPORTES

Gabriel Jesus e Alex Telles estão cortados da Copa do Mundo. Os dois tiveram lesões detectadas nos exames de imagem feitos hoje (3) e não vão se recuperar a tempo de voltar a jogar no Mundial, que termina em 15 dias. O regulamento não permite que substitutos sejam convocados, então a seleção brasileira segue em busca do hexacampeonato com 24 jogadores à disposição de Tite.

O atacante deixou o gramado ontem (2), na derrota por 1 a 0 para Camarões , reclamando de dores no joelho direito. Ele foi substituído por Pedro e comunicou o problema ao departamento médico da seleção, que na hora fez um exame clínico e se preocupou com a situação.

Apesar do corte, o UOL Esporteapurou que Gabriel Jesus tem a intenção de continuar com a delegação da seleção em Doha, no Qatar, para acompanhar o restante do Mundial. A CBF vai consultar as diretorias de Arsenal e Sevilla [onde joga Alex Telles] para definir se eles continuam com o elenco em Doha para tratamento ou se retornam aos clubes.

Alex Telles, por sua vez, deixou o gramado chorando. Ele tomou uma pancada em uma bola dividida pelo alto e, apesar de não ter o pé no chão, caiu na hora com dores. Ele ainda tentou voltar a jogar, mas não aguentou e foi substituído por Marquinhos. Ele pode precisar de cirurgia no joelho.

A CBF oficializou às 9h40 (de Brasília) a "impossibilidade de recuperação a tempo de participar da Copa" da dupla. "Acompanhados pelo médico da seleção brasileira, Rodrigo Lasmar, eles realizaram uma ressonância magnética no joelho direito que confirmou as lesões", informou a entidade.

Os dois são considerados reservas, mas a situação do lateral-esquerdo preocupa a comissão técnica. Alex Sandro, o titular da posição, está com lesão muscular no quadril e tem data de retorno ao gramado incerta, enquanto Danilo, lateral-direito, se recupera bem de uma lesão de ligamentos no tornozelo esquerdo.

Assim, Tite vai precisar improvisar pela esquerda. Ontem, a opção foi por colocar o zagueiro Marquinhos jogando por ali. Se Danilo voltar a tempo de jogar na segunda-feira, contra a Coreia do Sul, ele pode ser deslocado para a função, com Militão aberto na direita.

Além deles, ainda há o retorno incerto de Neymar. O jogador vai passar por um teste no gramado hoje para saber se vai ter condições de jogar novamente já nas oitavas de final ou se precisará continuar em recuperação. Certo é que ele está longe de ficar em 100% das condições, mas pode ir para o sacrifício.

Brasil e Coreia do Sul se enfrentam nas oitavas de final nesta segunda-feira (5), às 16h (de Brasília), no estádio 974.

Fonte: UOL 


sexta-feira, 25 de novembro de 2022

Richarlison faz golaço de voleio e Brasil vence Sérvia por 2 a 0 na estreia

 Copa do Mundo


Foram mais de quatro anos de espera, mais de 2,1 milhões de minutos, mas que passaram voando comparados com a tensão dos primeiros 62 minutos do Brasil na Copa do Mundo do Qatar. O nervosismo tomava conta do país do futebol quando Richarlison liberou o grito de gol e abriu caminho para a vitória sobre a Sérvia por 2 a 0, hoje (24), no estádio Lusail.

A seleção brasileira teve o controle da partida desde o início, mas não conseguia furar o bloqueio sérvio. Raphinha teve a melhor chance do primeiro tempo, mas bateu fraco. Alex Sandro acertou a trave já na segunda etapa, mas foi então que Richarlison entrou em ação.

O camisa 9 da seleção brasileira aproveitou jogada de Neymar, chute de Vini Jr e rebatida do goleiro Vanja para provar toda sua presença de área e abrir o placar. Depois, Vini Jr recebeu pela esquerda e serviu o Pombo, que viu a bola subir no domínio e não teve dúvidas: virou um voleio espetacular para ampliar e fechar a conta para o Brasil.

Com o resultado, o Brasil lidera o Grupo G por ter um saldo de gols maior do que a Suiça, que venceu hoje mais cedo a seleção de Camarões por 1 a 0. O time de Tite volta a campo na segunda-feira (28), às 13h (de Brasília), para enfrentar justamente os suíços.

Primeiro tempo duríssimo

Enquanto o Brasil confirmou a escalação ofensiva com apenas um volante, a Sérvia foi para o jogo com somente um atacante. O técnico Tite preparou formas de furar a retranca do rival, mas os primeiros 46 minutos foram de poucas oportunidades criadas.

Logo nos primeiros minutos, a Sérvia deixou claro sua estratégia: marcar, marcar, marcar e talvez armar algum contra-ataque. Aos 5', o zagueiro Pavlovic levou amarelo. Na sequência, Neymar ficou sem camisa ao ser agarrado por Lukic. O primeiro susto para os europeus só ocorreu no minuto 12, quando Neymar tentou gol olímpico e obrigou o goleiro Vanja Milinkovic-Savic a fazer a defesa. 

Com Vini Jr bastante acionado pela esquerda e Raphinha ajudando muito na marcação pela direita, o Brasil começou o jogo melhor e dando trabalho para a Sérvia. A equipe manteve a posse de bola em quase todo o tempo no campo de ataque, mas não conseguiu levar perigo o suficiente para arrancar o "uh" da torcida.

O melhor lance do primeiro tempo foi um quase gol olímpico de Neymar. Raphinha teve chance cara a cara, mas finalizou fraco. A Sérvia conseguiu conter o ímpeto brasileiro depois dos 20 minutos, mas estava claramente mais preocupada em não levar gols do que em abrir o placar. Alisson quase não tocou na bola.

Com Neymar muito bem marcado (nove das 12 faltas da Sérvia foram Nell), coube a Casemiro e Lucas Paquetá a ajuda na criação. O centroavante Richarlison tocou apenas 12 vezes na bola e ficou encaixotado na marcação.

Copa do Mundo 2022: imagens de Brasil x Sérvia

O Brasil teve 24 finalizações, dez delas na direção do gol, e a Sérvia chegou uma única vez, sem oferecer nenhum perigo para o goleiro Alisson. A partida foi, literalmente, de ataque contra defesa.

Pombo abre a porteira

Com menos de um minuto de jogo, o Brasil quase abriu o placar. Raphinha roubou a bola no campo de ataque, saiu cara a cara com o goleiro e bateu em cima dele. Neymar, do lado e sozinho, ficou desesperado por não receber o passe.

seleção brasileira continuou melhor e acertou a trave, com Alex Sandro, no 15º minuto. Aos 18, os sérvios não conseguiram mais resistir. Casemiro acionou Neymar, que cortou os marcadores e a bola sobrou para Vini Jr finalizar. No rebote do goleiro Vanja, Richarlison apareceu para empurrar. O Pombo estava sumido, mas esteve no lugar certo na hora certa. 1 a 0.

A Sérvia fez substituições e buscou a reação, mas abriu os espaços que o Brasil precisava. Aos 27 minutos, Vini Jr cruzou, Richarlison não dominou bem e improvisou: um lindo voleio no canto do goleiro. Um golaço do Pombo que já havia sido ensaiado em um dos treinos na preparação em Turim, na Itália. Foi o fim da "maldição do 9".

Com o 2 a 0 no placar e as substituições com mais "perninhas rápidas" como Antony e Rodrygo no segundo tempo, o Brasil empilhou chances: Casemiro, Fred, Rodrygo... Todos puderam transformar a vitória em goleada, mas o placar terminou com o 2 a 0, com direito a "olé" no estádio com mais de 88 mil pessoas.

Preocupação com o craque

Aos 34 minutos de jogo, Neymar sentiu um problema no tornozelo direito e precisou ser substituído. O camisa 10, como mostrou as imagens de transmissão da Globo, chorou no banco de reservas enquanto recebia gelo no local.

Neymar saiu de campo andando, mas abatido. Quando sentou no banco, começou a chorar e foi atendido pelo departamento médico.

Torcida brasileira faz mais barulho, com sérvios tentando reagir

Depois de alguns jogos ficarem marcados pelo clima de biblioteca nesta Copa, a partida entre Brasil e Sérvia teve uma torcida bastante participativa. Com praticamente 70% do estádio, os brasileiros fizeram bem mais barulho e receberam bastante apoio de torcedores estrangeiros. Os sérvios tentaram reagir e gritaram bastante o nome do seu país e só conseguiam fazer mais barulho nas poucas vezes em que a sua seleção cruzava na área.

Raphinha, rei das finalizações no treino, desperdiça chances seguidas

Uma das características que fizeram Raphinha ganhar muito espaço no Brasil foi a qualidade das suas finalizações. Além de ser rápido e driblador, ele impressionou a comissão técnica por sua qualidade na hora de chutar. Não à toa, mesmo em má fase no Barcelona, ele não perdeu espaço na Amarelinha. Hoje, no entanto, ele perdeu as melhores oportunidades brasileiras, sendo duas delas bem cara a cara com o goleiro adversário. O desperdício fez os brasileiros levarem a mão à cabeça.

Novidades na bola parada

De quatro treinos da seleção brasileira em Doha, três foram fechados. Tite e sua comissão técnica usaram a privacidade para ensaiar jogadas de bola parada que já foram usadas contra a Sérvia. Ainda no primeiro tempo, em apenas 30 minutos, foi possível observar novidades em dois momentos: um escanteio cobrado por Raphinha pela direita e uma falta tabelada entre Neymar e Raphinha na esquerda. Nas duas vezes, o Brasil tentou jogadas curtas de combinação para abrir espaço na defesa dos europeus em vez de levantamentos diretos na área.

FICHA TÉCNICA:

BRASIL 2 x 0 SÉRVIA
Data: 24 de novembro de 2022
Local: Estádio Lusail, em Doha (Qatar)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Alireza Faghani (Irã)
Assistentes: Mohammadreza Mansouri e Mohammadreza Abolfazli (Irã)
VAR: Abdulla Al-Marri (Qatar)
Público: 88.103
Cartões amarelos: Pavlovic, Lukic e Gudelj (Sérvia)
Gols: Richarlison (BRA), aos 16 e 27 minutos do 2º tempo

BRASIL: Alisson, Danilo, Thiago Silva, Marquinhos e Alex Sandro; Casemiro e Lucas Paquetá (Fred); Raphinha (Martinelli), Neymar (Antony), Vini Jr (Rodrygo) e Richarlison (Gabriel Jesus). Técnico: Tite

SÉRVIA: Vanja Milinkovic-Savic; Milenkovic, Veljkovic e Pavlovic; Zivkovic (Radonjic), Gudelj (Ilic), Lukic (Lazovic) e Mladenovic (Vlahovic); Tadic, Sergej Milinkovic-Savic e Mitrovic (Maksimovic). Técnico: Dragan Stojkovic

Fonte:UOL

"maldição do 9".

quarta-feira, 26 de outubro de 2022

Bolsonaro deve usar sigilo de 100 anos para deixar Lula em saia-justa; entenda

 ELEIÇÕES 2022

Foto: Reprodução Internet 

Os aliados de Jair Bolsonaro (PL) defendem que o presidente questione Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no debate da TV Globo sobre a instituição do decreto de sigilo de 100 anos para informações pessoais. A expectativa é de que o mandatário também pergunte se o petista sabe quem fez esta lei.


Conforme apurado pela coluna de Lauro Jardim, do portal O Globo, a intenção é deixar Lula em uma saia-justa, já que o dispositivo faz parte da Lei de Acesso à Informação (LAI), sancionada em 2011 pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A LAI permite que cidadãos obtenham informações públicas por meio do envio de perguntas, mas também prevê o sigilo a dados pessoais relacionados “à intimidade, vida privada, honra e imagem” pelo prazo de até 100 anos.

Em diversas situações, o governo Bolsonaro aplicou o dispositivo para esconder temas polêmicos. Como exemplo, é possível citar sigilo sobre encontros entre o presidente e pastores lobistas acusados de pedir recursos do Ministério da Educação, o cartão de vacinação do mandatário, dados dos crachás de acesso dos filhos Carlos e Eduardo Bolsonaro ao Palácio do Planalto, entre outros.


A campanha do PT tem usado tais episódios como munição contra Bolsonaro. No primeiro debate na TV Globo, Lula chegou a afirmar que, se eleito, fará um decreto para acabar com o sigilo de 100 anos e “para saber o que esse homem esconde por 100 anos”.

Debate da Globo

Quando acontece?

Dia 28 de outubro, próxima sexta-feira.

Que horas começa?

Por volta das 21h30, no horário de Brasília.

Onde assistir?

A transmissão será feita pela TV Globo.

Qual a data do segundo turno das Eleições 2022?

O segundo turno será disputado no dia 30 de outubro, último domingo do mês. Assim como no primeiro turno, o horário em que os colégios eleitorais estarão abertos para receber os eleitores será das 8h às 17h no horário de Brasília. Locais com fuso diferentes do da capital deverão adaptar seus horários para que o encerramento em todo o país seja simultâneo.

Quais cargos serão votados no segundo turno das Eleições 2022?

Em estados nos quais houver necessidade, haverá disputa para governador. Todos os estados e o Distrito Federal votarão para presidente da República.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica no segundo turno das Eleições 2022

  1. Governador (dois dígitos)

  2. Presidente da República (dois dígitos)

Presidente: qual a função que esse cargo exerce?

O presidente da República exerce a função de chefe do poder Executivo e de chefe do Estado (autoridade máxima) de forma simultânea em uma nação cujo sistema de governo é denominado presidencialismo.

Como chefe do poder Executivo, o presidente é responsável pelas ações e decisões cotidianas da política brasileira.

Por exemplo: como criar políticas públicas e programas governamentais, como gerir a administração federal, sugerir novas leis, dentre outras atividades. Já como chefe de Estado, o presidente é o representante máximo do país que o elegeu perante o mundo.

Governador: qual a função que esse cargo exerce?

governador é representante do Poder Executivo, com objetivo de governar o povo e conduzir os interesses públicos de cada estado.

Assim, a função do governador é comandar de forma completa o estado e representá-lo em ações jurídicas, políticas e administrativas. Ele também defende todos os interesses e necessidades do estado para com o presidente da República.

Poder Executivo estadual também possui a função de articulação política com o governo federal, bem como com os municípios que integram o estado.

O que está sob a gestão dos governadores?

  • Segurança pública – Uma das maiores responsabilidades do governador estadual é a segurança pública, envolvendo o total controle das Polícias Civil e Militar e a construção e administração de presídios.

  • Saúde – Está na alçada do governador criar as políticas de saúde estaduais e organizar o atendimento todo o atendimento de saúde, construindo e mantendo hospitais e instalações – laboratórios, centros de doação de sangue e centros de atendimento complexo (hospitais do câncer, por exemplo).

  • Educação – No quesito educacional, o principal foco do governador costuma ser o ensino médio, hoje considerada a mais problemática das etapas do ensino formal brasileiro.

  • Definir o orçamento estadual – Os documentos orçamentários são de responsabilidade do governador estadual. Eles visam fomentar o planejamento de curto e médio prazo do estado, trazendo mais transparência ao uso dos recursos públicos.

  • Infraestrutura estadual – A responsabilidade sobre toda a infraestrutura é mantida na alçada do governador estadual. Rodovias e portos, por exemplo, precisam receber cuidados do governo.

  • Adquirir investimentos federais para estados e municípios – Para viabilizar projetos de grande porte, tanto o estado quanto os municípios dependem de investimentos vindos do governo federal. Para isso, o governador é importante e peça-chave na articulação política entre União, estado e municípios.

    Fonte: Yahoo Notícias 




terça-feira, 25 de outubro de 2022

Por que voto em Bolsonaro

 OPINIÃO 

Ex-presidente da OAB, Reginaldo de Castro diz que o presidente obtém resultados –mesmo em luta desigual com setores do Judiciário e da mídia

Foto:Reprodução Internet 


A eleição presidencial deste ano guarda, em relação as que a precederam, desde o início da República (e não há exagero nisso), uma singularidade: não se trata de discutir nomes, partidos ou mesmo interesses de ordem fisiológica.

O que está em pauta são caminhos. E caminhos antípodas, que hão de marcar o país não por 1 ou 2 mandatos, mas pelas próximas gerações, para o mal ou para o bem.

Lula e Bolsonaro são apenas as fisionomias que expressam esses rumos antagônicos. É preciso, portanto, examinar o entorno de cada qual, as propostas que vocalizam, em vez de perder tempo examinando os modos, o palavreado, rendendo-se a melindres.

O cenário é de guerra e, nesses termos, não se esperem gestos cavalheirescos de nenhuma das partes.Vamos, pois, ao que interessa: para onde nos leva (ou nos quer levar) cada um dos projetos em pauta. O PT já deu mostras suficientes do que quer. Em 16 anos de exercício do poder, conjugou fatores que levaram o país à tragédia: corrupção (a maior de que se tem notícia), má gestão e descaso pelo Estado Democrático de Direito. Nada menos.


Não tenho qualquer relação pessoal ou de qualquer outra ordem com o presidente Jair Bolsonaro.Ao contrário, recebi sua chegada ao poder com reservas, tendo em vista sua longa atuação congressual, em que mostrava pouco zelo com as palavras, dando cabimento ao de que lhe acusavam os adversários, de que flertava com o autoritarismo.


Não foi, porém, o que se deu em sua gestão presidencial. Pode-se divergir de algumas atitudes, algumas palavras, mas não se pode acusá-lo de agir contra a ordem democrática. E aí está a 1ª e grande diferença entre ele e Lula: se for ele o eleito, teremos eleições daqui a 4 anos; se, inversamente, for Lula, não saberemos.


Diante de tal risco –o de suportar o PT deformando o povo e o Estado brasileiros, por tempo indeterminado–, concluí que seria imperdoável covardia manter-me neutro no presente processo eleitoral. Optei por votar em Bolsonaro.Os arroubos do presidente, é verdade, dificultam os mais cuidadosos de o apoiarem. Mas o fato é que a hipótese de retorno do PT supera tais idiossincrasias. Não se conhecem ainda os termos do projeto de governo de Lula. Ele preferiu só revelá-lo se eleito. Mas, do que já adiantou, há elementos suficientes para temê-lo.


Depois de acusar o agronegócio –carro-chefe da economia– de fascista, avisou que o MST terá papel preponderante em seu governo. E voltou a incentivar as invasões, no campo e na cidade. Se antes mesmo de vencer já faz isso, imagine-se o que fará se eleito. Avisou que promoverá a regulação da internet e dos meios de comunicação, eufemismo óbvio de censura.Não respeitará o teto de gastos, anulará as privatizações de estatais e voltará a usar o BNDES para financiar e promover obras em ditaduras vizinhas e africanas, dando-lhes prioridade em relação às demandas internas. Já vimos esse filme. E morremos no fim.

As obras do Porto de Mariel, em Cuba, tiveram como garantia charutos. Como o calote é no valor de bilhões, é possível que haja charutos em quantidade para prover toda a população brasileira.Além desse projeto suicida de poder, que demolirá a economia e provocará em algum momento, tal como ocorreu na Venezuela e na Nicarágua –países modelos do PT–, uma convulsão social, há ainda a personalidade de Lula. Não é pouca coisa.


Basta lembrar que, certa vez, ele se autoqualificou de “metamorfose ambulante”. É um ser humano inconfiável, mentiroso, dissimulado. Na atual campanha, se desdisse com a maior desfaçatez mais de uma vez. Numa semana, proclamou-se favorável ao aborto, “fator de saúde pública”. Mas, ao falar a evangélicos, contrários à tese, disse que é radicalmente contra o aborto e que defende a vida desde sua concepção. Sua dissimulação o faz esconder seus mais fiéis amigos, como José Dirceu, seu braço direito, pilar do regime totalitário que, na hipótese de sua vitória, seria instalado em Brasília.


De outra parte, Bolsonaro, mesmo enfrentando luta desigual contra algumas autoridades do STF, do TSE e da mídia mainstream, tem obtido resultados importantíssimos na economia: deflação, crescimento do PIB acima das previsões do FMI, redução do desemprego e dos índices de violência.


Sem jamais apelar a medidas arbitrárias, jogando, como gosta de dizer, “dentro das 4 linhas da Constituição”, granjeou popularidade indiscutível, que exibe nas ruas, em contato direto com a população, bem ao contrário de Lula, que fala apenas a plateias amestradas, em recintos fechados.

Aos que buscam evitar uma opção entre os 2 candidatos, alegando que se equivalem, digo apenas o seguinte: mesmo nesse caso, há uma vantagem em optar por Bolsonaro. Se ele ganhar, você poderá criticá-lo, sem risco de ser punido, pelos próximos 4 anos. Não é possível afirmar o mesmo em relação a Lula


Fonte: Poder360/Reginaldo de Castro 








Bolsonaro com chance de virar Lula é destaque nos jornais nesta terça-feira (25)

 BRASIL

Lula Jair Bolsonaro eleições eleição 2022 segundo turno pesquisas PT PL
Reta final: eleições chegam ao segundo turno com Lula e Bolsonaro disputando cabeça a cabeça (Imagem: REUTERS/Mariana Greif)
O presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, pode estar até 1 ponto percentual à frente do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva(PT), a poucos dias do segundo turno das eleições. É o que se conclui da análise de dez pesquisas de intenção de voto divulgadas na semana passada e computadas pelo Money Times.

No seu melhor cenário, Bolsonaro contaria com 46,73% das intenções de voto, acima dos 45,72% do pior cenário de Lula. No cenário básico, contudo, o petista lidera, com 47,77%das menções, ante 44,82% do ex-capitão. Ainda neste cenário, brancos e nulos somam 5,33%, e os indecisos2,08%.

Para chegar a esses números, o Money Times agregou  as dez pesquisas divulgadas na semana passada: IpecCNT/MDA, IpespeDatafolhaPoderDataQuaestParaná Pesquisas, Ideia, ModalMais e Veritá.

Bolsonaro no seu melhor cenário bate Lula em seu pior cenário (total de respostas agregadas de 10 pesquisas – em total de respostas  

CandidatoTotal de entrevistasCenário básicoPior cenário (Total menos margen de erro)Melhor cenário (Total mais margem de erro)Margem para baixo (p.p.)Margem para cima (p.p.)
Lula27.05612.92412.37013.4782,052,05
Bolsonaro27.05612.12711.57312.6422,051,91
Brancos/Nulos27.0561.4438881.9812,051,99
Indecisos27.0565622019451,341,37

Bolsonaro X Lula: em porcentagem de respostas (agregado de 10 pesquisas)

CandidatoTotal de entrevistas% Cenário básico% Pior cenário (Total menos margem)% Melhor cenário (Total mais margem)Margem para baixo (p.p.)Margem para cima (p.p.)
Lula27.05647,7745,7249,822,052,05
Bolsonaro27.05644,8242,7746,732,051,91
Brancos/Nulos27.0565,333,287,322,051,99
Indecisos27.0562,080,743,451,341,37

Como cada instituto trabalha com amostras e margens de erro distintas, o primeiro passo foi somar todas as amostras. Com isso, no agregado, as pesquisas ouviram um total de 27.056 eleitores nos últimos dias. É claro que é impossível determinar se houve sobreposições, isto é, se uma mesma pessoa foi ouvida por dois ou mais institutos. Por isso, o Money Times assumiu que cada indivíduo foi entrevistado para uma única pesquisa.

Em seguida, o site decompôs cada amostra em número de respondentes, a partir do percentual de cada opção (Lula, Bolsonaro, brancos e nulos, e indecisos). A ModalMais e a Veritá não discriminaram brancos, nulos e indecisos. Por isso, para estes dois institutos, optou-se por agrupar esses casos numa única rubrica (brancos e nulos).

Bolsonaro lidera no seu melhor cenário; Lula segue à frente, no cenário básico

O passo seguinte foi determinar a variação de cada instituto, considerando-se a margem de erro para mais e para menos, e estimar quantas pessoas votariam nos candidatos, considerando-se o pior cenário (cenário básico menos a margem de erro), e o melhor cenário (cenário básico mais a margem de erro).

Veja os números de Lula

PesquisaTotal de entrevistas (A)Cenário básico (%) (B)Respostas (C=AxB)Margem de erro (p.p.)
Ipec3.008501.5042
CNT/MDA2.00248,19632,2
Ipespe1.100495393
Datafolha2.898491.4202
PoderData5.000482.4001,5
Quaest2.000479402
Paraná Pesquisas2.02046,99472,2
Ideia1.500507503
Modalmais2.00045,99182,2
Veritá5.528462.5432
Total27.05612.9242,21

Lula (continuação)

PesquisaCenário básico (%) (B)Margem de erro (p.p.)Pior cenário % (Total menos margem de erro)Melhor cenário % (Total mais margem de erro)Respostas (pior cenário)Respostas (melhor cenário)
Ipec50248521.4441.564
CNT/MDA48,12,245,950,39191.007
Ipespe4934652506572
Datafolha49247511.3621.478
PoderData481,546,549,52.3252.475
Quaest4724549900980
Paraná Pesquisas46,92,244,749,1903992
Ideia5034753705795
Modalmais45,92,243,748,1874962
Veritá46244482.4322.653
Total12.37013.478

Cumpridas estas etapas, o Money Times somou todos os respondentes de cada coluna. Assim, foi possível comparar uma amostra agregadade eleitores de Lula e Bolsonaro com o total de entrevistados pelos dez institutos (os tais 27.056 participantes). Também foi possível estimar o mesmo para o pior e o melhor cenário de cada um, considerando-se a variação da margem de erro para mais ou para menos.

No total das dez pesquisas, Lula contou com 12.924 apoiadores no cenário básico. Quando se considera a margem de erro, a faixa do petista oscila entre 12.370 menções e 13.478.

Veja os números agregados de Bolsonaro

PesquisaTotal de entrevistas (A)Cenário básico (%) (B)Respostas (C= AxB)Margem de erro (p.p.)
Ipec3.008431.2932
CNT/MDA2.00241,88372,2
Ipespe1.100434733
Datafolha2.898451.3042
PoderData5.000442.2001,5
Quaest2.000428402
Paraná Pesquisas2.02044,58992,2
Ideia1.500466903
Modalmais2.00046,99382,2
Veritá5.528482.6532
Total27.05644,4212.127

Bolsonaro (continuação)

PesquisaCenário básico (%)Margem de erro (p.p.)Pior cenário % (Total menos margem de erro)Melhor cenário % (Total mais margem de erro)Respostas (pior cenário)Respostas (melhor cenário)
Ipec43241451.2331.354
CNT/MDA41,82,239,644793881
Ipespe4334046440506
Datafolha45243471.2461.362
PoderData441,542,545,52.1252.275
Quaest4224044800880
Paraná Pesquisas44,52,242,346,7854943
Ideia4634349645735
Modalmais46,92,244,747,1894942
Veritá48246502.5432.764
Total44,4242,2146,4311.57312.642

No caso de Bolsonaro, das 27.056 entrevistas realizadas pelas dez pesquisas, 12.127 foram favoráveis ao presidente. Quando se considera a margem de erro, sua faixa oscila entre 11.573 menções e 12.642 menções. Assim, seu melhor cenário ultrapassa o pior cenário de Lula, de 12.370 citações.

Somente no cenário básico, foi possível arredondar a soma para 100%. Isto, porque a composição dos demais cenários não pode ser determinada com tal precisão. No melhor cenário de Bolsonaro, por exemplo, 46,73% de votos, Lula pode tanto aparecer em seu pior momento (45,72%) ou em algum ponto intermediário. Tudo dependerá de como se comportariam brancos, nulos e indecisos neste caso.

Fonte: InfoMoney